“Foi melhor que o sonho que eu sonhei!”

Mayra Santos demonstrou ontem, dia 4 de setembro de 2019, que nada é impossível!

A atleta do Clube Naval do Funchal fez mais um bonito capítulo na história do clube ao tornar-se a primeira mulher a fazer uma travessia de 42 km a nado entre a ilha do Porto Santo e a Madeira.

Eram cerca de cem as pessoas presentes na sua chegada ao Caniçal. O relógio marcava as 19h00, precisamente 12 horas e 10 minutos depois da sua entrada na água junto ao ilhéu da Cal, sob o primeiro alvor do dia. Com abastecimento alimentar baseado em líquidos e bananas da Madeira, de 40 em 40 minutos e, na fase final de 30 e 30 minutos, a nadadora de águas abertas foi acompanhada pelo marido e por uma médica a bordo da embarcação de apoio. O diretor de prova, Paulo Falé, salientou as condições favoráveis para o sucesso da mesma, pois houve correntes favoráveis em 11 das 12 horas da travessia, havendo apenas a registar a situação um pouco delicada do mar junto à Ponta de São Lourenço. “Correu tudo bem. O planeamento tem de ser muito intenso para nos permitir escolher o dia ideal e conseguirmos vir sempre a favor da corrente. Não é uma travessia com partida simultânea. É uma atleta individual, então, tem de ter todas as condições para efetuar a travessia”, afirmou. À chegada Mayra Santos não se queixava de nada e, em tom de brincadeira disse: “quando é a volta à Madeira?” A sua força e determinação, aliada à alegria contagiante, não deixou ninguém indiferente quando ainda conseguiu dançar e cantar entre abraços e lágrimas fortes, carregadas de emoção e adrenalina.

“Foi tudo muito lindo. Vi os meus bichinhos lindos, vi golfinhos, vi tartarugas, vi tudo o que queria ver, também teve um pouco de ondulação mas também faz parte e por isso tem este sabor especial”, declarou Mayra Santos à imprensa. O incentivo e palavras de apoio de todas as pessoas que acompanharam esta aventura, de perto ou através das redes sociais, foram a força que encontrou para ultrapassar as fases em que teve dor. Nunca pensou em desistir, apesar de ser um pouco mais duro do que esperava e terminou a dizer “ estou bem e feliz”. Quando ainda antes da travessia, numa rápida conversa à beira na piscina perguntávamos: “Mayra e se por algum motivo não conseguires, estás preparada para lidar com isso?” a resposta foi: “isso não vai acontecer!” e, não é que não aconteceu mesmo?! Mayra Santos conseguiu concretizar o seu sonho e falou sempre no plural “obrigada Deus, obrigada Madeira, obrigada Portugal, nós conseguimos!”. E nós dizemos: obrigado Mayra, que bonita lição de determinação, coragem e ambição deste a todos nós.

Partilhar